Abuso psicológico – Você pode estar vivendo essa situação sem saber.

Assistindo Maid – Netflix, me identifiquei muitas vezes no papel personagem principal, Alex.  O quão  é complexo enxergar as verdadeiras dificuldades da vida, o quão machuca e drena as energias.

                O gritante e não ouvido, nem percebido muitas vezes, é estar dentro do abuso psicológico, pois não deixa marcas físicas; acreditando que tudo está certo se permite perpetuar na situação. A família não vê, os amigos não percebem nem mesmo você se dá conta do que acontece. Pois, o outro é o cara bacana, – bacana para os outros.

                Quando se percebe já está adoecida, presa numa situação aparente sem saída. Precisa muito mais que força, precisa renascer das cinzas para reconstruir uma identidade.

                A violência psicológica mora dentro de casa, começa muito antes de embarcar num relacionamento, situação que se repetiu em toda sua geração. Todas as “vítimas”” com os olhos velados moldados por uma criação machista de homens adoecidos,  mulheres que sofreram abusos psicológicos e criaram suas filhas da maneira que aprenderam a viver. Aceitando a situação como certo, enlouquecem, num desatino desesperado na esperança de ser amada.

Quantas de vocês acreditam que o bonzinho da história é realmente bonzinho, mas no fundo apenas mais um manipulador, oferecendo tudo, desde que seja do jeito dele. Estar com a alma ferida, sempre as leva para ciladas de relacionamentos. Enquanto não for visto, olhado, ressignificado tudo se repete, se não com os companheiros, com amigos e até mesmo com os chefes do seu trabalho. Alguém vai representar a sua história.

O mundo diz não, você não pode ser feliz, pois foi assim que aprendeu a viver. Precisa ter força e coragem para olhar sua vida e transformá-la. Dói, mas é curador!

“A árvore genealógica, por inércia quererá continuar a manter o curso castrador e tóxico do seu tronco, o que faz a tarefa das nossas “ovelhas negras” um trabalho difícil e conflituoso.”

Bert Hellinger

Selma Flavio – Terapeuta Sistêmica

Quer falar sobre isso?

Continuar lendo Abuso psicológico – Você pode estar vivendo essa situação sem saber.

SEPARAÇÃO DE CASAL

SEPARAÇÃO DE CASAL  E A SAÚDE DOS FILHOS PODEM ESTAR LIGADOS DIRETAMENTE AOS FILHOS QUE NÃO FORAM VISTOS.

– A importância do luto por aborto ou natimortos.

Numa cultura de negar as perdas por mortes, não se permitem vivenciar o  luto pela perda de um aborto (provocados ou não). Causando profundo sofrimento para uma mãe, uma dor imensurável, quão a perda de uma criança nascida.

Infelizmente ainda  para grande maioria dos homens, perder um filho por  aborto, é a mesma coisa de saber que a mulher menstruou, não dando devida importância e reconhecimento, julgando como exagerado a tristeza da mulher.

Quando esse homem não se dá conta da dor do sofrimento, e juntos não vivenciam o luto, pode provocar um grande abismo entre o casal, no decorrer do tempo levar a separação.

Todos os abortos, deveriam ter uma cerimônia intima, no qual o casal olha para essa criança, mesmo que de forma fictícia, reconhece a perda e se despede, dando um lugar em seu coração. Pois; essa criança é tão filho, quantos os filhos vivos.

Dar um nome amoroso mesmo não sabendo o sexo da criança, entender qual é a ordem de chegada desse filho. Evitando assim, transtornos futuros com o relacionamento do casal e com possíveis desarmonias entre os filhos.

Crianças diagnosticadas como por exemplo TDAH – Doença crônica que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. – Pode ser a criança identificada pela falta desse irmão, mesmo que inconsciente, não sabe qual é o seu lugar no sistema familiar, provocando desequilíbrios de todos os gêneros.

O futuro de todos podem estar afetados, e você sabe qual é o seu lugar no seu sistema familiar?

Lembrando que natimorto é o termo atribuído ao feto quando morre dentro do útero materno ou durante o trabalho de parto.

Selma Flavio – Terapeuta Sistêmica


Tire suas duvidas ou agende sua sessão terapêutica.


Leia mais

Continuar lendo SEPARAÇÃO DE CASAL

VIDA ESCOLAR E PANDEMIA, COMO VAI A SUA SAÚDE MENTAL?

Eterna aprendiz

MAIS DO QUE UMA REFLEXÃO

Compreendo a dificuldade de ajudar os filhos nos afazeres escolares, principalmente nos dias de hoje, compreendo também que sempre tivemos dificuldades em todo o âmbito familiar.

Mas entendo também, que nossos filhos que ainda cursam ensino fundamental, são crianças que precisam de ajuda, da ajuda de vocês pais.

Professores e escola oferecem aprendizado. Pais, deram a vida e mostram o caminho.

Se pararem 20 minutos por dia com seu filho, 20 minutos que podem parecer longos para você, já estará plantando sementes em terras férteis para a saúde emocional do seu filho.

Olhe nos olhinhos deles, pelo menos por alguns minutos, 1 minuto que seja, olhe lá no fundo e diga um sincero sinto muito e que eles podem contar com você. Mas olhem, nem que seja por 30 segundos.

Ele se sentirá reconhecido, e saberá que mesmo diante tantas dificuldades, lá no fundo tem pais que os amam. O amor que vocês têm para dá, da forma que for, mas que seja amor.

Um olhar de 30 segundos nos olhos de seu filho, poderá livrá-lo das tempestades futuras. Que com certeza será muito mais difícil de enfrentar do que esses 20 minuto, além dos 30 segundos de olhar sincero.

Se não conseguir estar com seu filho 20 minutos, ofereça 10 min.
Em 10 minutos ele falará como foi o seu dia de criança e ainda consegue fazer alguma lição, que vezes 7 dias já são 70 minutos na semana de momentos só dele com você.

A vida é difícil para você, sim, você não é o único.

O momento da pandemia deixou mais complicado, sim!
Mas estamos tentando nos adaptar.
Quando voltarmos as aulas, não pare com os 20 min ou 10 min de atenção. Pois, esses momentos sem brigas, sem discussões, sem cobranças, sem raiva… Fortalecerá seus laços familiares e os tornarão pessoas melhores. E com certeza, você também ficará bem!

Pense nisso!

Por Selma Flavio – Terapeuta
Terapia Cognitivo-Comportamental / Constelação Familiar – Terapia Florais

Informações e agendamento


Foto que revela o que está oculto no sistema

Parece que o marido casou com a mãe, deve ter mesmo casado. Leia esse texto, vai descobrir muito mais.

Foto bastante intrigante. Muita gente deve achar normal, principalmente nos relacionamentos antigos. Mas, até hoje isso acontece e com mais frequência que se parece.

Foto que revela o que está oculto no sistema; a mãe toma o filho como marido, e o filho em amor a relação, aceita. Resultando em relacionamentos amorosos desastrosos, e a perda da sua liberdade.

Quantas sogras “morrem” de ciúmes dos filhos, com raiva da nora, a ponto de acreditar que a nora veio para tirar o filho dela.

Filhos que continuam ao lado da mãe, amarrados nesse acordo inconsciente, pois toma o lugar do pai, que normalmente foi um marido ausente ou se foi muito cedo.

Brigas intermináveis, noras loucas e mães se remoendo no ódio e rancor. Cena típica, da mulher e da amante do marido. Certo? Mas, não deveria.

Já vi mãe preparando o prato do filho, levando até sua mão e dizendo: – É, ele se casou não deu certo e voltou, voltou cheios de manias.

Nesse dia vi um  adulto sentado no sofá, com aspecto infantilizado. Recebendo nas mãos o prato preparado pela mãe.

Quantos são os motivos que levam um homem a se submeter a essas amarras, quantos pais abandonam seus lares e o filho toma o seu papel, quantas mães que não refazem suas vidas, ou excessivamente manipuladoras tomam todos os homens da família.

Você lembra desse filme – A Sogra 2015

Pois é, existem muito mais mistérios nas questões com sogra, – “que possa imaginar  nossa vã filosofia.”

É assim que caminham a as relações, de repente você tem conflitos e ainda não descobriu qual é o seu papel nessa relação.

Quanto as meninas que trocam de papel com a mãe, é muito mais complexo, um outro momento falaremos sobre isso.

Selma Flavio – Psicoterapia / Constelação Familiar.

Quer agendar seu atendimento


Continuar lendo Foto que revela o que está oculto no sistema

como está a saúde do filho

Você sabe o que é alienação parental, você sabia que ela começa muito antes da separação?

É a manipulação psicológica em uma criança em mostrar medo, desrespeito ou hostilidade injustificados em relação ao pai/mãe ou outros membros da família do parceiro.

Em poucas palavras, é colocar a criança contra qualquer pessoa do grupo familiar do seu companheiro(a) ou ex-companheiro(a), prejudicando o seu vínculo afetivo, para que a criança fique apenas a seu favor.

Nessa situação a criança é obrigada a tomar partido, tirando a sua posição de filho, forçando a julgar um dos pais. Quando isso acontece, você está dizendo a criança que não gosta de 50% dela, – pois ela é o resultado da união do casal.

“O homem dever reconhecer que a família da mulher, apesar de diferente, tem o mesmo valor que a sua. E a mulher tem que reconhecer que a família do marido, embora seja diferente da sua, também tem o mesmo valor.”

Bert Hellinger -2016

Quando Bert diz a família do companheiro deve ser reconhecido, ele sugere que devemos reconhecê-los como família de nossos filhos. Olhar com respeito sem menosprezar diante a criança.

Em consequência a criança inconscientemente também passa a se rejeitar, não gostar parte de si, se rejeita da mesma forma que você rejeita o companheiro(a).

A alienação parental começa muito antes da separação, começa quando o relacionamento não vai bem e um dos pais já faz a manipulação do filho a  seu favor.

Um jogo grave e perigoso, onde as consequências maiores se projetam na saúde mental do seu filho. Podemos ter crianças com baixa de autoestima, depressivas, agressivas, com doenças físicas e muito mais.

Na gravidade da situação, uma criança é capaz de tentar salvar o casamento dos pais, desenvolvendo uma doença grave.

Deve estar se questionando, como é difícil não mostrar a insatisfação para o filho, principalmente em casos em relacionamentos abusivos com agressividade.

Sei o quanto é difícil, tente pelo menos não comentar na frente do filho, não jogar as frustações na criança, principalmente nas primeiras fases da vida, o que existe entre os adultos precisam ser resolvidos entre os adultos. Mantenha-o o mais parcial possível e procure ajuda terapêutica.

Para poder tomar decisões assertivas, cuidando também do seu emocional, ajudando a preservar a saúde emocional do seu filho. A separação muitas vezes é o melhor caminho, fazê-lo de forma saudável é a melhor solução para todos. Pois, todos estão adoecidos.

Selma Flavio – Psicoterapeuta/Constelação Familiar

“O pai está sempre presente na criança. Quando eu rejeito o pai, rejeito também a criança. A criança sente isso e fica dividida. Não pode ficar completa.”

Bert Hellinger no livro “A fonte não precisa perguntar pelo caminho”

Veja o vídeo e entenda


Para informações e agendamento

Continuar lendo como está a saúde do filho

O amor do pai e a manifestação do masculino

Será que isto significa que o pai ama menos do que a mãe?

Para nós, não há nada mais longe da realidade do que essa afirmação. Neste ponto, a vida se mostra tão perfeita ao incluir um amor tão completo que surge a partir de dois seres diferentes.

A mãe nos permite experimentar o amor que acolhe. O pai permite experimentar o amor que te mostra o externo, que ensina sobre limites. Os dois são necessários, cada um da sua forma.

Vemos em nosso trabalho de forma frequente como o amor que vem do pai é incompreendido, principalmente nos dias de hoje.

É comum ver como os filhos, em geral, têm dificuldade de ver o amor que está presente na firmeza e ou dureza que por vezes recebem de seus pais.

Os filhos se perdem ao ver o que recebem através destes gestos que, em um primeiro olhar não conseguem interpretar. Eles não se apropriam da força que surge deste relacionamento tão singular.

Sem poder contar com a força do masculino que vem do pai, por julgarem profundamente esta outra forma de amor, acabam por sofrer as consequências disso na vida. 

Em última instância, quando julgam os pais, proíbem a si mesmo de usar as riquezas do masculino contidas em si.

Fonte IpêRoxo

É verdade que há uma fase na vida em que as pessoas precisam dizer não aos pais, mas é um não comportamental, de ação, não necessariamente de coração. É normal, em certo momento, que exista essa necessidade de se separar, de se diferenciar, de se fazer grande em relação aos pais. No entanto, se o filho diz com o coração aos seus pais: “Não, eu não tomo aquilo que vem de vocês porque não é o que eu mereço”, mesmo que vá para a Austrália continuará percebendo uma corda enorme que o amarra aos seus pais através da rejeição.

Mas se ele diz: “fico feliz que vocês e juntaram e me entregaram a vida e os agradeço e digo sim à vida que me deram e a aproveito, e em tudo de bom que vivo na minha vida os tenho presentes”, então os pais se sentem grandes e o filho se sente impulsionado à vida, e pode deixar os pais e seguir o seu próprio caminho, possuir a vida, fecundá-la, injetar os seus genes na torrente da vida, CRIAR, arriscar, viver.

E de vez em quando ele vai voltar para os seus pais e dirá de novo: “obrigado”.
A rejeição ata. O consentimento liberta, pois é amor.

Joan Garriga

Depois de uma constelação para uma criança autista

Reticência

Participante: Quando antes ouvimos aqueles gritos, foi dito que esta era a saída do autismo. Será que isso significa que a criança poderia ficar boa?

Hellinger: Você tem de ouvir-me atentamente. Eu disse: “Esta é a irrupção do autismo”. Pudemos ver isso aqui. O que realmente aconteceu, eu não sei. Então, se alguém pergunta, tal como você o está a fazer agora, “será que isto vai ajudar realmente?”, o que é que acontece na sua alma? Você está em sintonia com o que está a acontecer ou a sua conexão interior foi interrompida?

Participante: Então, se eu estiver sempre assim, não estou em sintonia?

Hellinger: Exactamente. Mas a questão não o afecta apenas a si, afecta também o sistema do cliente. Tais perguntas curiosas interferem com o movimento da alma. Portanto, é necessária reticência, reticência completa. Sem dúvida que eu teria também prazer em saber se a criança estaria a ficar melhor. Eu tinha isso no meu coração. Contudo, não me atrevo a fazer algo parecido.

Sempre que queremos alcançar um fim específico, quer seja em psicoterapia, quer seja no trabalho social ou em casa – assim que um objectivo específico seja determinado – as coisas correm mal. Correm mal porque nos colocamos no lugar de um movimento superior. Queremos correr na frente, forçar algo. Nesse momento, perdemos o contacto com os poderes maiores. O que nos controla, esta alma maior, tem em mente, inclui, mais coisas. Quando nos confiamos a ela, conseguimos muito mais do que aquilo que tínhamos imaginado.

Em psicoterapia e em casa fazemos a pergunta: o que é aconteceu ali? Porque é que foi deste ou daquele modo? Estas perguntas perturbam os movimentos da alma, enfraquecem. Mas se nos mantivermos somente ali, em consonância com o todo, imediatamente irradia. Nesta posição, um poder maior funciona em segundo plano. Os chineses chamam-lhe “actuar através do não-agir”.

Ao intervir, retiro-me sempre do meio. De repente, quando me retiro desta maneira, uma frase vem ter comigo, ou o próximo passo. Eu sigo-o, mas não sei onde isso vai levar. Então, mais uma vez eu espero um pouco e assim algo se vai desdobrando passo a passo.

A forma como deve encarar isto é: assim como aqui os representantes percebem directamente o que está a acontecer na família, a família imediatamente percebe o que se passa aqui. Assim, as soluções que encontramos aqui alcançam a família também.

Há uma história que se conta em Colónia. Eles lá tinham uns duendes muito úteis, que faziam o trabalho das pessoas durante a noite e faziam-no muito bem, mas só trabalhavam quando não estava ninguém. Um dia uma mulher quis saber exactamente o que eles faziam e esse foi o fim de tudo. Este é um belo exemplo para o que acontece aqui. É exactamente assim.

Esta extrema reticência é sempre cheia de respeito. E esse respeito dá asas a algo na alma. Abre um espaço na alma. Quando surge uma pergunta, a alma contrai-se: “o que é que ele quer agora de mim?” Ninguém se coloca a pergunta “o que é que o sol quer de mim?”, ele brilha somente. Portanto, eu deixo brilhar em mim – sem perguntas.

Bert Hellinger In Help for the Soul in Daily Living, Junho 2011

Deseja conversar a respeito, entre em contato através de nosso formulário e deixe sua duvida.